Trabalho voluntário no Reame: um amor que transforma a realidade

Diogo Souza tem 53 anos e é técnico de informática; Maria Rosa Camilo tem 47 anos e é dona de casa; e a jovem alemã Anna Knoop tem 18 anos. Apesar de bem diferentes, eles têm uma coisa em comum: realizam um trabalho voluntário no Centro Educacional Comunitário (Cec) Reame e contribuem para o desenvolvimento da instituição.

A Anna quer levar para seu país todo o aprendizado com as crianças e adolescentes no Reame. “Estou aqui há quase um ano. Meu objetivo é, quando voltar, criar uma política de desenvolvimento e fortalecer as relações comunitárias de onde moro”, salienta a jovem alemã, que tem seu retorno previsto para este mês.

Já o técnico de informática Diogo Souza é voluntário na instituição há dois anos e não pretende deixar esse trabalho de lado. “Dou as aulas de informática e presto todos os serviços de manutenção nos computadores. É uma forma de eu aprender, praticar e ter um compromisso social. Todo cidadão deveria doar um pouco do seu tempo dessa forma”, comenta Diogo Souza.

A mais nova voluntária é a Maria Rosa Camilo, que contribui no Reame desde abril deste ano. Ao ficar desempregada, não pensou duas vezes e passou a doar seu tempo e atenção para a instituição. “Toda semana é uma coisa diferente. Ajudo a fazer fichas de inscrição, na organização das datas comemorativas e em tudo que posso. É um trabalho gratificante”, destaca Maria Rosa.

César Augusto Tononi, coordenador do Reame, destaca que o voluntariado é fundamental para que a instituição se mantenha de forma sustentável. “Atualmente, atendemos 95 crianças e adolescentes com diversas oficinas. Quanto mais voluntários tivermos, mais o Reame poderá fazer pela comunidade. Além disso, é uma forma de fazermos o bem a quem precisa de nosso tempo e atenção”, afirma César.

O coordenador também destaca que o Reame também é um espaço aberto para apresentações artísticas e culturais para as crianças e adolescentes. “Se apresentar aqui é uma forma de fomentar a cultura e a arte em Cariacica e dar visibilidade aos grupos da região. Se necessário, emitimos certificado de horas para estudantes e profissionais que precisarem”, explica.

Como ser um voluntário:

Para ser um voluntário, é simples. Além de força de vontade, a equipe administrativa da instituição marca uma conversa com o interessado para alinhar a sua melhor forma de contribuição. Depois disso, mãos à obra por meio das oficinas ou do acompanhamento pedagógico junto com os funcionários.

O Reame funciona de segunda a quinta-feira, das 08h às 18h, com oficinas de capoeira, artes circenses, musicalização, jogos cooperativos, informática, arte e cultura e recreação. Outra forma de contribuir é por meio de doação material ou financeira.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *